Humor e Memorabilia na Internet

Atualmente, a “vibe” de usar uma linguagem mais descontraída e leve para tratar de qualquer assunto na internet vem se tornando uma constante. A linguagem formal e informativa, aos poucos, dá lugar à conversa descolada e com linguagem jovem. E é através dessa premissa que levantamos o questionamento: por que é mais fácil lembrar de algo na internet quando damos risada disso?

 

Pera aí… mas o que é considerado humor?

Apesar da frase clássica que diz “humor é um conceito subjetivo do que é engraçado ou não”, existem várias teorias que tentam explicar o que é, de fato, o humor e qual sua função social. Essas teorias variam desde as psicológicas (como a teoria do alívio), até as espirituais, que o consideram uma “experiência mística inexplicável”. Fato é: o humor é um forte mecanismo na recepção e memorização de informações e, aparentemente, a internet se deu conta disso.

 

Case de sucesso: o reconhecimento nacional da Prefeitura de Curitiba através de suas redes sociais

Hoje, não é de se estranhar perfis de grandes corporações nas redes sociais conversando com seu público de uma maneira mais informal e “divertida”. Esse método cria uma relação entre consumidor e empresa que torna a utilização de seus produtos e serviços mais provável, por assim dizer. E mais: torna mais difícil a perda do cliente, já que o mesmo se sente mais um parceiro do que um consumidor.

 

O que mais eu posso ganhar com isso?

Se você chegou aqui pensando “ah, mas então esse jeitão descolado só funciona em atendimento ao cliente”, calma. Existe muito mais a se ganhar com o humor do que RTs e likes.

Levando em consideração a evolução da tecnologia, que permitiu um maior compartilhamento de informações ao redor do mundo, não é difícil perceber que existe uma grande quantidade de páginas falando as mesmas coisas. Porém, é perceptível que absorvemos conteúdo de uma maneira muito mais simples quando ele se mistura com humor. Isso faz com que, no meio de tanta coisa repetida, o nosso conteúdo tenha destaque. Melhor ainda: faz com que ele seja lembrado.

Quando o conteúdo é muito denso ou específico, o humor também encontra seu lugar. Assuntos delicados (seja por contextos sociais, como o aborto ou legalização das drogas) ou muito específicos e técnicos (como tecnologia costuma ser) normalmente são estressantes, porém, tendem a ser mais digeríveis e até compreensíveis e relaxantes quando tratados com humor. Quem diria que falar sobre política poderia ser informativo e engraçado ao mesmo tempo?

Só precisava ilustrar algo sobre memória aqui, desculpem

Você me convenceu! Como eu uso o humor então?

Agora chegamos na parte interessante, depois de todo o conceito filosófico chato sobre o assunto. Tipo a hora do intervalo após duas aulas de física.

Antes de iniciar essa discussão, vale dizer que não é necessário fazer do seu site uma sessão de stand-up comedy. Humor forçado não é humor. Inclusive, é meio deprimente (use como exemplo a piada feita ali em cima). Você pode usar um viés humorístico no seu conteúdo de uma maneira mais leve ou inesperada, como por exemplo uma interação com o usuário mais descontraída, ou exibindo um texto de uma maneira não usual. A ideia é criar um tipo de ligação com o usuário.

Esse tipo de “experiência diferenciada” pode fazer com que seu site saia na frente na cabeça do usuário quando relacionado a um tema, ação ou até mesmo tipo de informação.

 

“Ah, eu vi um negócio interessante na internet ontem”
“É mesmo, em que site?”
“No site X, que inclusive tem um menu que pula muito engraçado”

 

O diálogo anterior é mais comum do que imaginamos. Experiências e linguagens que fogem do comum tendem a se tornar referenciais, e se destacam quando comparadas a outras que ficam no feijão com arroz.

Existem diversas maneiras de aplicar o humor fora do conceito “Prefeitura de Curitiba” que vemos por padrão na internet. E tudo depende do que você quer que as pessoas se lembrem a seu respeito. Mas o mais importante é: dá pra aplicar o conceito de humor em TUDO.

Acredita que sua marca é muito séria, ou que precisa de mais destaque? Que tal mostrá-la de uma maneira diferente, fugindo do conceito comum utilizado? Um site de notícias sobre a vida rural não precisa ser sério 100% do tempo, por mais importante que seja sua mensagem, não é mesmo, Globo Rural?

Precisa dizer algo importante que provavelmente não terá atenção por ser muito técnico ou chato de se ler? Passe essa mesma informação para o usuário como se estivesse conversando com seus amigos. Afinal, o usuário é seu amigo, como nos mostram os logs de atualização do Slack.

Quer mostrar que sua empresa é legal, com gente super maneira e jovem? Faça uma página “sobre nós” que fuja do padrão “fotos de pessoas de terno com os braços cruzados”, com fotos e/ou descrições capazes de mostrar que essa equipe não é igual às outras. Dá uma olhada no pessoal do Cultivated Wit pra se inspirar!

 

Poder usar é diferente de ter que usar

Apesar de saber que podemos usar humor em tudo, isso não quer dizer necessariamente que devemos usar humor em tudo. Existem situações onde o humor não é bem vindo.

Por exemplo, não é de bom tom prolongar uma ação em função da aplicação de uma piada que alguém achou que seria boa naquele momento. Interações na internet são baseadas (e contadas) em quantidades de cliques, e quanto mais cliques um usuário tem que dar para alcançar um objetivo, menos propenso a continuar ele ficará. Ainda mais se o motivo dessa “demora” for uma piada. Perde a graça na hora.

Outra coisa para a qual se deve atentar é o tipo de linguagem utilizada para uma determinada ação. Vamos tomar como exemplo o ato de “se cadastrar em uma newsletter”: é uma atividade comum na internet, e raramente vemos uma maneira inusitada e realmente interessante de se pedir o email de um usuário. Porém, o que pode ser visto pela empresa como uma “piada”, ou “apenas uma maneira descontraída de fazer a pessoa interagir conosco”, pode ser encarado pelo usuário como uma ofensa pessoal e estragar toda a relação que vinha sendo construída.

A esse fato damos o nome de confirmshaming. É quando temos a opção de fornecer ou não nosso email para uma newsletter, porém a opção de “não fornecer” acaba por nos ofender ou atacar diretamente. Acha isso improvável de acontecer? Veja o tumblr confirmshaming para perceber o quão comum isso pode ser.

 

E no fim das contas, vale a pena usar o humor?

Claro que vale! Utilizar o humor da maneira correta em seu site, texto, vídeo ou qualquer meio de comunicação com outras pessoas vai fazer com que você seja a primeira coisa a ser lembrada a respeito daquele tipo de informação!

A única coisa necessária é a parcimônia, assim como qualquer coisa na vida. Dependendo de como você abordar um tema, talvez a impressão gerada seja mais negativa do que positiva. Portanto, use com moderação, afinal ninguém quer ser lembrado como “aquele site que se acha engraçado mas na verdade dá um pouco de dó”.

Mas, definitivamente, o humor é um aliado. Então, nada mais justo do que trabalhar com ele para alcançar seus objetivos e vencer a concorrência.

Eduardo Coutinho

Eduardo é desenvolvedor desde os 16 anos e está sempre em busca de aprender alguma coisa nova para não se sentir parado no tempo. Você pode acompanhar suas bobagens em @duuhx_ e ver suas fotos em @duuhx_

  • Achei muito interessante a análise sobre como pode ser a utilização do humor para transmitir mensagens corporativas. Também gostei de conhecer o conceito de confirmshaming, visto que passei por um há alguns minutos (viu, Ricardo Eletro?). Parabéns pelo texto.